quarta-feira, 31 de março de 2010

Vesak Solitário




Na lua plena

a poça rasa

se infinita.

Enquanto os cílios são raios de prata

eu continuo secretando chamas inquietas

e a fuligem

que me escapa

gruda na página

formando letras.

3 comentários:

Andréia Carvalho disse...

verbo de bodisatwa na deriva. * gostei muitos destes 3 últimos postados!

abraço!

Rafael Medeiros disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Enzo de Marco disse...

hello meu caro!
adaste sumido ?? e ai quando vai aparecer rapaz?